+55 (11) 3168 1382 contato@lourenco.com.br

FONTE (VALOR ECONOMICO)

Após cobrar R$ 204,9 bilhões de contribuintes em decorrência de fiscalizações e autuações em 2017, a Receita Federal estabeleceu uma meta menor para esse ano. Mesmo assim, o cumprimento por parte dos auditores dos R$ 148,9 bilhões programados para 2018 ainda depende da regulamentação do “bônus de eficiência”, uma remuneração acertada com o governo e que ainda não está em vigor.

Segundo o subsecretário de Fiscalização da Receita, Iágaro Jung Martins, a expectativa de recebimento do bônus despertou um “trabalho fora da curva” em 2017 por parte dos Auditores, o que impulsionou o lançamento das cobranças. Em valores correntes, o valor das autuações no ano passado, 68% maior do que um ano antes e bem acima da estimativa inicial de R$ 143,3 bilhões, decorreu também da avaliação de processos que ficaram parados em 2016. O Secretário da Receita, Jorge Rachid e o Ministério do Planejamento ainda não chegaram a consenso sobra a fórmula de cálculo que será usada para o cálculo do bônus.

Questionado sobre se a Receita não está fazendo chantagem para pressionar a regulamentação do bônus, o subsecretário reconheceu que os Auditores tem remuneração acima da média no Brasil, mas querem tratamento semelhante ao de outras categorias do Executivo. “É questão de equivalência. O que os auditores estão buscando é regularização do previsto em lei. Em 2017, havia compromisso que a regulamentação aconteceria e buscamos empenho extraordinário, o que se refletiu nesse resultado.”

Nesse ano, a Receita vai manter operações iniciadas em anos anteriores, como a de evasão nos setores de cigarros, bebidas e de combustíveis, e por venda direta por catálogos. Além disso, serão mantidas as operações especiais como a Lava-Jato, fraudes em títulos públicos, Zelotes, dentre outras. Umas das investigações da Receita nesse ano será sobre os recursos oriundos do Refis. Segundo o Fisco, serão feitas diligências para combater crimes de lavagem de dinheiro.

Segundo Martins, do total de R$ 204,99 bilhões em autuações no ano passado, R$ 136,64 bilhões foram lançados pela Receita Federal. “Dos processos de 2017, 92,2% estão em fase de julgamento ou cobrança e podem ter sido incluídos no Programa de Regularização Tributária.”

Segundo o balanço feito pela Receita, dos lançamentos (autuações da fiscalização) efetuados em 2010, apenas 5,84% dos processos foram julgados improcedentes até dezembro de 2017. Em termos de valores, os julgamentos improcedentes representam apenas 20,49%. Em relação aos processos formalizados em 2010, ainda restam  15,48% em numero de processos e 22,84% em termos de valores pendentes de julgamento.